quarta-feira, 27 de julho de 2011

Artur Paredes e Armando Goes

video
O documentário “Armando Goes, acompanhado por Artur Paredes, a cantar o fado "Asas Brancas” foi realizado por Francisco Ferreira Júnior, em meados de 1930, na Quinta da Consolação, hoje Centro de Estudos e Formação Autárquica de Coimbra.
Foi filmado em película de 9,5 mm, Pathé, tendo sido posteriormente sincronizado com o disco “His Master Voice”, de 78 rotações.
Francisco Ferreira Júnior nasceu em S. Carlos, estado de S. Paulo, Brasil, no dia 14 de Fevereiro de 1902, tendo vindo com os pais e irmãos para Portugal em 1919.
Jogou como “center-half” – como na altura eram designados os centros campistas – na Académica entre 1921 e 1924, tendo abandonado o futebol por lesão no joelho. Casou em 1926 e faleceu a 5 de Março de 1931, com uma peritonite.
Francisco Ferreira Júnior era entusiasta do cinema e da fotografia, tendo assinatura para os filmes que passavam na época no cinema Tivoli (hoje uma loja de confecções).
Em 1930 pretendeu criar um estúdio cinematográfico nos terrenos ocupados pelo TAGV (na altura um descampado), para o que trocou correspondência com a Pathe Baby e a Tobis Portuguesa, tendo chegado a pedir orçamento, sendo que na altura o equipamento e a instalação custariam à roda dos 3.000 contos (da época).
Francisco Ferreira Júnior registou, para além deste documentário, vários outros sobre a Queima das Fitas de 1930, festas da cidade, treinos da selecção portuguesa no campo do Arnado, em Coimbra, jogo no campo da Constituição, no Porto, em Novembro de 1930, alusões à criação do parque da cidade, à garraiada no touril, a uma episódio que na altura foi bastante apreciado relativo à vinda de um “Nunes de Ranhados” a Coimbra para conhecer a sua noiva com quem tinha vindo a trocar correspondência e que não passava de um estudante, …, para além de muitos outros documentários de carácter familiar.
Todo este espólio encontra-se no seu estado original, pertence à família Fonseca Ferreira, sendo o Dr. Francisco da Fonseca Ferreira, filho de Francisco Ferreira Júnior, o seu fiel depositário.
Existem ainda hoje, à guarda de Dr. Francisco da Fonseca Ferreira, as máquinas de filmar e de projectar usadas por Francisco Ferreira Júnior.
Nota: Aparecem na gravação os familiares António Ferreira, Óscar Ferreira e Carminé Ferreira.
Francisco da Fonseca Ferreira

3 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Obrigado por partilharem este vídeo, interessantíssimo, que não fazia ideia existir! A guitarra que Artur Paredes aqui toca (e que presumo fosse emprestada) parece-me ser uma guitarra de fabrico portuense(?), mas talvez com tiro de corda vibrante de dimensões lisboetas. Através do vídeo também se confirma que por esta altura ainda tocava com unhas naturais, que viria a desfavorecer mais tarde.

16 de julho de 2011 às 18:18  
Anonymous Anónimo disse...

Obrigado. Uma preciosidade para todos, uma prenda dourada para quem investiga.

Bem haja

M Marques Inácio

27 de julho de 2011 às 11:59  
Blogger AEL disse...

Uma preciosidade este pequeno documentário: Autur Paredes e Armando Goes, dois nomes incontornáveis do canto e da Guitarra de Coimbra.

28 de julho de 2011 às 21:18  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial