quarta-feira, 11 de abril de 2012

Maria

Ouça! Ouça!... Não deixe de ouvir até ao fim, pois assim terá oportunidade de exclamar: «É realmente incompreensível que pérolas deste quilate estejam excluídas da 'playlist' da Antena 1, o canal generalista da rádio estatal que tem a obrigação legal (formalmente estabelecida no contrato de concessão do serviço público de radiodifusão) de divulgar a melhor música portuguesa!!!»
Ao mesmo tempo que estas pérolas são votadas ao ostracismo, constata-se que a referida 'playlist' está atulhada de subprodutos (exógenos e endógenos), muitos dos quais promovidos 'ad nauseam'.
O que se disse a respeito da Antena 1 aplica-se igualmente à Antena 3, outro canal do chamado "serviço público de rádio" que marginaliza, de forma perfeitamente criminosa, o nosso património musical mais valioso e qualificado.
Fica à reflexão dos pagantes da contribuição do audiovisual (que actualmente se cifra em €27,00 anuais + I.V.A.) e de quem tem nas suas mãos o poder para pôr cobro a tão aberrante anormalidade.

MARIA

Letra e música: José Afonso
Intérprete: José Afonso* (in EP "Cantares de José Afonso", Columbia/VC, 1964; LP "Carlos Paredes/José Afonso/Luiz Goes", Columbia/VC, 1970, reed. EMI-VC, 1992; CD "Encontros em Coimbra", Valentim de Carvalho/Iplay, 2008) [http://www.youtube.com/watch?v=A8_smAwcCJU&hd=1]
 
 
[instrumental]

Maria
Nascida no monte
À beira da estrada

Maria
Bebida na fonte
Nas ervas criada

Talvez
Que Maria se espante
De ser tão louvada

Mas não
Quem por ela se prende
De a ver tão prendada

Mas não
Quem por ela se prende
De a ver tão prendada

[instrumental]

Maria
Nascida no trevo
Criada no trigo

Quem dera
Maria que o trevo
Casara comigo

Prouvera
A Maria sem medo
Crer no que lhe digo

Maria
Nascida no trevo
Beiral do mendigo

Maria
Nascida no trevo
Beiral do mendigo

[instrumental]

Maria
De todas primeira
De todas menina

Maria
Soubera a cigana
Ler a tua sina

Não sei
Se deveras se engana
Quem demais se afina

Maria
Sol da madrugada
Flor de tangerina

Maria
Sol da madrugada
Flor de tangerina

Nota do autor: «O conhecimento da Zélia, num lugar do Algarve, reconciliou-me com a água fresca e com os tons maiores. Passei a fazer canções maiores.» (in "Cantares de José Afonso", Tomar: Nova Realidade, 1966; Coimbra: Fora do Texto, 4.ª ed., 1995)
* Rui Pato – viola

Gravado nos Estúdios Valentim de Carvalho, Paço d'Arcos
Técnico de som – Hugo Ribeiro
Biografia e discografia em: A Nossa Rádio

[Histórico das pérolas >> http://www.youtube.com/playlist?list=FLys6VB6Y_S4sv6_Xbet-9fA]

Álvaro José Ferreira

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial