quinta-feira, 12 de julho de 2012

"A Vida dos Sons": deseja-se menos cinzenta e mais multicolor (III)
A edição do programa "A Vida dos Sons (http://www.rtp.pt/programa/episodios/radio/p4688 relativa ao ano de 1970 voltou a ser parca e mísera em assuntos de cariz cultural. Foram contemplados: a dissolução dos Beatles (com honras de abertura), a Exposição Universal de Osaka (Japão) e a conquista pela pianista Maria João Pires do Prémio Beethoven, em Bruxelas. Também foi passado o excerto de uma entrevista concedida por José Mário Branco a José Manuel Nunes que era para passar no programa "Página Um", mas que nunca foi para o ar, por interdição da direcção da Rádio Renascença. Desconhecia de todo a existência desta gravação, e aproveito para deixar aqui a minha nota de reconhecimento pelo oportuno resgate.
Foi ainda feita referência (brevíssima) aos seguintes discos: "Traz Outro Amigo Também", de José Afonso; "Cantaremos", de Adriano Correia de Oliveira; "Com Que Voz", de Amália Rodrigues; e "Amália-Vinicius", de Amália Rodrigues com Vinicius de Moraes e outros amigos. O que não pode deixar de se criticar é que edições tão relevantes da História da Música Portuguesa tenham recebido uma simples e fugidia citação, ou seja, sem o mínimo desenvolvimento e sem qualquer ilustração sonora. Quer dizer: os assuntos relacionados com a política e com a guerra são tratados com toda a dignidade, ao passo que os culturais recebem uma breve nota à margem. Não posso, de forma alguma, concordar com esta atitude de considerar a actividade cultural matéria de segunda ou terceira categoria, mais própria de regimes autocráticos e obscurantistas. Será que as Sras. Ana Aranha e Iolanda Ferreira– que eu tenho como pessoas sem laivos ditatoriais, lúcidas e inteligentes – já se deram conta de que ao adoptarem tal atitude estão a fazer o jogo do inimigo e, ironicamente, a darem concretização à "profecia" de José Freire Antunes «o futuro de Portugal será amassado por filhos duradouros da cultura salazarista»?

Aqui fica a lista (não exaustiva, naturalmente) de factos ocorridos em 1970 que não foram devidamente tratados ou, pura e simplesmente, ignorados:
(Peço desculpa ao autor, mas apenas vou incluir os dois nomes ligados ao Fado de Coimbra)

10. Edição do álbum "Cantaremos", de Adriano Correia de Oliveira; é o primeiro disco de Adriano que conta com a colaboração de José Niza, que assina a música de três temas, um sobre poema da galega Rosalía de Castro ("Cantar de Emigração") [>> http://www.youtube.com/watch?v=sl3FA9Zz4JM ] [>> http://www.youtube.com/watch?v=etm2xGq216Q ] e dois sobre poemas de António Gedeão ("Fala do Homem Nascido" [>>
http://www.youtube.com/watch?v=a-XMuSaXtBc ] e "Lágrima de Preta" [>> http://www.youtube.com/watch?v=XdTlyyxgvmQ]); completam o alinhamento duas recriações do cancioneiro açoriano, com arranjos de Carlos Alberto Moniz ("O Sol Préguntou à Lua" [>> http://www.youtube.com/watch?v=-P2dQYsi0oI] e "Sapateia" [>> http://www.youtube.com/watch?v=0ZwTt1MTLmI]), três canções sobre poemas de Manuel Alegre ("Saudade, Pedra e Espada" [>> http://www.youtube.com/watch?v=KmVGrUuJ55g ], "Canção Para o Meu Amor Não se Perder no Mercado da Concorrência" [>> http://www.youtube.com/watch?v=-O7QcyQI5RQ] e a sublime "Canção com Lágrimas" [>> http://www.youtube.com/watch?v=VUWLmuUm_tQ ]), e ainda "Cantar Para Um Pastor" (poema de Matilde Rosa Araújo) [>> http://www.youtube.com/watch?v=uwVzeGlc6as ], "Como Hei-de Amar Serenamente" (poema de Fernando Assis Pacheco) [>> http://www.youtube.com/watch?v=3S521mnwqv8 ] e "A Noite dos Poetas" (poema de António Barahona da Fonseca) [>> http://www.youtube.com/watch?v=P2g4XAnhpYU; a voz cristalina e melodiosa de Adriano Correia de Oliveira cantando alguns dos mais belos espécimes da poesia portuguesa e o magistral acompanhamento da viola de Rui Pato fazem de "Cantaremos" um dos mais preciosos tesouros do nosso património discográfico;

11. Edição do álbum "Traz Outro Amigo Também", de José Afonso; gravado em Londres, nos Estúdios Pye, com Carlos Correia (Bóris), na viola, em substituição de Rui Pato (que estava impedido pela PIDE de sair do país), e Filipe Sousa Colaço, na segunda viola e pandeireta, o disco é, nas palavras de Viriato Teles, «um imenso poema de fraternidade a que não falta a raiva de quem se sabe cercado; uma raiva que tem a sua expressão mais evidente nas interpretações de "Os Eunucos" (cuidadosamente subintitulado "No Reino da Etiópia") [>> http://www.youtube.com/watch?v=3kvcRBn9HOQ
] e do soberbo e angustiante poema de Jorge de Sena, "Epígrafe para a Arte de Furtar"» [>> http://www.youtube.com/watch?v=DMJRur0npb0 ]; este é o registo de José Afonso em que surgem, pela primeira vez e de forma explícita, as referências a África, mais concretamente a Moçambique (onde leccionou durante três anos), em "Avenida de Angola" [>> http://www.youtube.com/watch?v=v8dn4y_4eMw] e "Carta a Miguel Djéjé" [>> http://www.youtube.com/watch?v=VIIv2-1mEnc]; além do tema-título, "Traz Outro Amigo Também" [>> http://www.youtube.com/watch?v=EqAZ_1JhUOw] [videoclip>> http://www.youtube.com/watch?v=hfKU5pA-CRI], e das belas recriações do cancioneiro tradicional "Maria Faia" [>>http://www.youtube.com/watch?v=Pne8ozDLoiA] e "Moda do Entrudo" [>> http://www.youtube.com/watch?v=e-xSY4beUHs ], merecem ainda destaque: "Canto Moço" [>> http://www.youtube.com/watch?v=AnhMRZjEPKo], "Canção do Desterro (Emigrantes)" [>> http://www.youtube.com/watch?v=MYkXKE4Cqts ], "Verdes São os Campos" (a terceira visitação do cantor à lírica camoniana) [>> http://www.youtube.com/watch?v=szHx-kuPuXs ] e a belíssima "Cantiga do Monte" [>> http://www.youtube.com/watch?v=Ydnq3rKDNnQ ].
Todos (ou quase todos) estes itens podiam ser devidamente ilustrados, ora com registos do arquivo da RDP (entrevistas, adaptações de peças de teatro e de obras romanescas, recitações de poemas, etc.) ora, no caso de repertório musical, com gravações discográficas.
Não cabia tudo em 50 minutos? Problema nada difícil de resolver: em vez de uma única edição (lacunar, espartilhada e cinzenta), façam duas – mais completas, desafogadas e variegadas.
Renova-se o pedido: deseja-se que "A Vida dos Sons" seja menos cinzenta e mais multicolor.

Textos relacionados:
http://nossaradio.blogspot.pt/2012/06/vida-dos-sons-deseja-se-menos-cinzenta.html
http://nossaradio.blogspot.pt/2012/07/vida-dos-sons-deseja-se-menos-cinzenta.html

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial