segunda-feira, 4 de junho de 2012

Durval Moreirinhas

Na sessão de ontem, dia 15 de Maio, tive o privilégio de uma companhia verdadeiramente única , Durval Moreirinhas, o mais internacional dos violas de Coimbra. Deixo-vos aqui alguns dados biográficos:

Durval Moreirinhas

Durval Araújo Cerqueira Moreirinhas nasceu em Celorico de Basto, a 11 de Abril de 1937. Em 1947 foi residir para Coimbra, tendo-se matriculado no Liceu D. João III. Ainda “bicho”, entrou para a Tuna Académica da Universidade de Coimbra.
Mais tarde, já em Lisboa, Jorge Tuna e Durval Moreirinhas voltam a tocar juntos e gravam em discos 28 guitarradas, todas da autoria de Jorge Tuna.
Ao longo da sua longa e brilhante carreira de mais de 40 anos, Durval Moreirinhas acompanhou à viola as melhores vozes de Coimbra, de várias gerações, bem como grandes executantes de guitarra.
Participou na gravação de mais de três dezenas de discos, com Luiz Goes, José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Machado Soares, António Bernardino, Sutil Roque, Barros Madeira, Gomes Alves, Armando Marta, Sousa Pereira, Almeida Santos, Arménio Marques dos Santos, Lacerda e Megre, José Miguel Baptista, José Mesquita, Germano Rocha, Rui Gomes Pereira, Frederico Vinagre, Janita Salomé.
A lista dos guitarristas que acompanhou não é menos importante: Jorge Tuna, Jorge Godinho, Eduardo de Melo, Ernesto de Melo, António Andias, Octávio Sérgio, João Bagão, Fontes Rocha, Ricardo Rocha, Manuel Mendes, Carlos Couceiro, João Alvarez, etc.
Conjuntamente com José Niza, gravou 1961, as primeiras baladas de José Afonso, exclusivamente acompanhadas á viola: Balada Aleixo e Minha Mãe. Com António Portugal, Eduardo Melo e Jorge Moutinho, Durval Moreirinhas gravou também o primeiro disco de Adriano Correia de Oliveira. É autor da música de uma dezena de fados e baladas, entre as quais a Balada do 6º Ano Médico de 1962, com letra de João Barros Madeira.
Para além da Tuna Académica, pertenceu também ao Orfeon, com o qual realizou inúmeras digressões.
Passando a residir e a trabalhar em Lisboa – no Banco Borges & Irmão – passou a acompanhar António Andias, com o qual gravou um importante disco de Luiz Goes – Cantares de Amor e de Esperança.
Posteriormente, veio a integrar um novo grupo com Octávio Sérgio, António Bernardino e Armando Marta. Foi, aliás., com Octávio Sérgio que acompanhou José Afonso no LP Fados de Coimbra e outras canções (1981).
Durval Moreirinhas actuou nas mais importantes salas de espectáculo do Mundo, pisando palcos como o do Lincoln Centre de Nova Iorque ou o Olympia de Paris.
Participou também em inúmeras emissões de televisão, em todos os continentes e viajou por todo o Mundo, levando o fado e a guitarra de Coimbra às sete partidas.


Foto: Na sessão de ontem, dia 15 de Maio, tive o privilégio de uma companhia verdadeiramente única , Durval Moreirinhas ,o mais internacional dos violas de Coimbra. Deixo-vos aqui alguns dados biográficos:

Durval Moreirinhas 

Durval Araújo Cerqueira Moreirinhas nasceu em Celorico de Basto, a 11 de Abril de 1937.Em 1947 foi residir para Coimbra, tendo-se matriculado no Liceu D. João III. Ainda “bicho”, entrou para a Tuna Académica da Universidade de Coimbra. 

Mais tarde, já em Lisboa, Jorge Tuna e Durval Moreirinhas voltam a tocar juntos e gravam em discos 28 guitarradas, todas da autoria de Jorge Tuna.

Ao longo da sua longa e brilhante carreira de mais de 40 anos, Durval Moreirinhas acompanhou À viola as melhores vozes de Coimbra, de várias gerações, bem como grandes executantes de guitarra. 

Participou na gravação de mais de três dezenas de discos, com Luís Goes, José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Machado Soares, António Bernardino, Sutil Roque, Barros Madeira, Gomes Alves, Armando Marta, Sousa Pereira, Almeida Santos, Arménio Marques dos Santos, Lacerda e Megre, José Miguel Baptista, José Mesquita, Germano Rocha, Rui Gomes Pereira, Frederico Vinagre, Janita Salomé. 

A lista dos guitarristas que acompanhou não é menos importante: Jorge Tuna, Jorge Godinho, Eduardo de Melo, Ernesto de Melo, António Andias, Octávio Sérgio, João Bagão, Fontes Rocha, ricardo rocha, manuel Mendes, Carlos Couceiro, João Alvarez, etc. 
Conjuntamente com José Niza, gravou 1961, as suas primeiras baladas de José Afonso, exclusivamente acompanhadas á viola: Balada Aleixo e Minha Mãe. Com António Portugal, Eduardo Melo e Jorge Moutinho, Durval Moreirinhas gravou também o primeiro disco de Adriano Correia de oliveira. É autor da música de uma dezena de fados e baladas, entre as quais a Balada do 6º Ano Médico de 1962, com letra de João Barros madeira. 

Para além da tuna Académica, pertenceu também ao Orfeon, com o qual realizou inúmeras digressões. 

Passando a residir e a trabalhar em Lisboa – no Banco Borges & Irmão – passou a acompanhar António Andias, com o qual gravou um importante disco de Luís Goes – Cantares de Amor e de Esperança.

Posteriormente, veio a integrar um novo grupo com Octávio Sérgio, António Bernardino e Armando Marta. Foi, aliás., com Octávio Sérgio que acompanhou José Afonso no LP Fados de Coimbra e outras canções (1981). 

Durval Moreirinhas actuou nas mais importantes salas de espectáculo do Mundo, pisando palcos como o do Lincoln Centre de Nova Iorque ou o Olympia de Paris. 
Participou também em inúmeras emissões de televisão, em todos os continentes e viajou por todo o Mundo, levando o fado e a guitarra de Coimbra às sete partidas.

Carlos Carranca

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial